Volkswagen Autoeuropa: Fábrica de Palmela vai reduzir 400t CO2/ano com a reativação do transporte ferroviário

A Volkswagen Autoeuropa ativou, na passada semana, o comboio para o transporte dos modelos produzidos para o Porto de Setúbal. De acordo com a fábrica de Palmela esta...

135
135

A Volkswagen Autoeuropa ativou, na passada semana, o comboio para o transporte dos modelos produzidos para o Porto de Setúbal.

De acordo com a fábrica de Palmela esta solução vai permitir “poupar 400t de CO2 por ano, o que representa menos 80% de emissões de CO2 em comparação com o transporte por camião”.

Em comunicado a Volkswagen Autoeuropa explica que a “reativação da ferrovia será feita em duas fases. Durante a primeira (Agosto a Dezembro de 2019), uma composição fará o transporte diário de 250 carros, retirando assim 32 viagens de camiões do já congestionado percurso rodoviário para o Porto de Setúbal”. Em 2020 prevê-se, de acordo com o documento,  “um aumento para duas composições (500 unidades/dia), o que significa que 68% do volume de produção da fábrica de Palmela será transportado por via ferroviária, com o restante a ser efetuado por transporte rodoviário”.

Segundo Rui Baptista, diretor da área de Logística da Volkswagen Autoeuropa, o transporte ferroviário é o caminho a seguir “a ferrovia tem um impacto no ambiente substancialmente menor do que a rodovia e a médio prazo é financeiramente mais competitiva. O futuro da logística terá de ser cada vez mais sustentável, e não tenho dúvidas que este serviço responde a essa realidade”.

De referir que a Volkswagen Konzernlogistik responsável pela operação, desenvolveu o conceito com a Rodo Cargo, parceira logística deste projeto e que assegura entre outras igualmente o atual transporte rodoviário para o Porto de Setúbal.

Segundo Antonio Oliveira, representante em Portugal da Volkswagen Konzernlogistik, “estamos muito satisfeitos com a implementação deste conceito não só pelo impacto ambiental positivo, mas também pelas melhorias gerais da operação de carga e descarga dos carros”.

 

In this article