ASL Tomé é uma referência na história de Pinhal Novo

Considerada a empresa mais antiga de Pinhal Novo ainda hoje a funcionar, os registos relativos à produção de vinho na ASL Tomé remontam a meados dos anos 40 do século...

160
160

Considerada a empresa mais antiga de Pinhal Novo ainda hoje a funcionar, os registos relativos à produção de vinho na ASL Tomé remontam a meados dos anos 40 do século XX.

 Contudo, foi a partir de 1953, com registos documentais, que a emblemática e única adega de Pinhal Novo começou a funcionar sob a designação de ‘Américo de Sousa Lopes & Herdeiros’. E mais tarde, em 1992, assume a designação e de forma abreviada de ASL Tomé.

Hoje, já nas mãos da 5ª geração da família, liderada pelos irmãos Carlos e Nuno Branco, a ASL Tomé conta já com um processo modernizado e tendo na sua história mais recente o lançamento da primeira gama de vinhos regionais Cascalheira, nome da Quinta que está na família há 5 gerações, tendo posteriormente lançado outras gamas.

É na Quinta da Cascalheira, onde se localiza a adega e uma das vinhas mais antigas, que se vinificam e engarrafam os vinhos, e onde toda a história destas cinco gerações é contada, através de recordações, mas também de toda a presença de patrocínio arquitetónico que nos faz recuar na história da adega que desde 1953 trabalha ininterrutamente.

Fotos: João Gautier

Com as vinhas plantadas nos solos arenosos do concelho, mais concretamente nas freguesias de Pinhal Novo e Palmela onde predominam as castas Castelão, Syrah, Cabernet Sauvignon, Moscatel, Aragonez, Alicante Bouschet e Touriga Franca, a ASL Tomé conta já com 38 hectares de vinha que tem permitido chegar a uma produção que ronda os 260.000 litros/ano, “apenas com as nossas uvas, pois só assim conseguimos ter a certeza da qualidade dos nossos vinhos”.

2021 foi para a ASL Tomé “um dos melhores anos em termos de qualidade das uvas”, o que mais uma vez irá permitir ter uma “excelente colheita”, prevendo-se que possam surgiu novas medalhas nos concursos nacionais onde se apresentam.

Apesar de estarem “isolados” na freguesia de Pinhal Novo, Carlos e Nuno Branco consideram que “ninguém liga o nome da freguesia a terra de vinhos, provavelmente se estivéssemos em Palmela a projeção fosse diferente”, o que não os impede de trabalhar e apostar na qualidade dos vinhos por eles produzidos “pois temos um público que nos é muito fiel”.

Com uma produção virada essencialmente para o mercado nacional, os vinhos da ASL Tomé encontram-se em mercados internacionais, mas por intermédio “dos nossos distribuidores”.

De salientar que a ASL Tomé está aberta ao público de segunda a sábado com loja, winebar e salão de festas, onde se realizam eventos culturais como concertos, teatro e exposições de pintura, artesanato e fotografia.

In this article