Campo do Olival com novo relvado sintético: Sonho do Águas de Moura torna-se realidade

O ano de 2018 não poderia ter terminado da melhor maneira para os dirigentes, sócios e atletas do Clube Desportivo e Recreativo de Águas de Moura, que...

300
300

O ano de 2018 não poderia ter terminado da melhor maneira para os dirigentes, sócios e atletas do Clube Desportivo e Recreativo de Águas de Moura, que viu nos últimos dias de Dezembro o Campo do Olival receber um relvado sintético.

Durante a cerimónia que contou com a presença de diversas figuras ligadas ao mundo do futebol, nomeadamente do presidente da Associação de Futebol de Setúbal, Francisco Cardoso, e Paulo Parreira, representante do Conselho de Arbitragem, o presidente do Águas de Moura, Sérgio Porfírio, começou por lembrar que “ao fim de 43 anos de existência do nosso clube, conseguimos, finalmente, fazer a legalização do terreno do complexo desportivo, é também um momento histórico para a nossa comunidade, porque, finalmente, conseguimos colocar o nome de Águas de Moura na rota dos eventos desportivos”.

Dirigindo-se directamente ao presidente da Câmara Municipal de Palmela, Álvaro Amaro, o presidente do clube de Águas de Moura, defendeu que “este não é apenas um complexo desportivo, é um equipamento estratégico e a prova disso é a parceria feita com a Associação de Futebol de Setúbal, que permitiu a realização de um evento de âmbito regional, onde estiveram presentes as selecções femininas de sub-17 das Associação de Futebol do Algarve, Setúbal e Beja”.

Sérgio Porfírio aproveitou a ocasião para recordar que “ é urgente requalificar os restantes equipamentos do Complexo Desportivo do Olival”, nomeadamente no que diz respeito à iluminação e anexos à sede.

Por seu lado, Álvaro Amaro, presidente da autarquia palmelense, considerou que a criação deste complexo desportivo “vai permitir a aposta na formação desportiva”.

O edil palmelense disse, ainda, que em 2019 e caso o Botafogo avence, “estamos em condições de fazer o pleno em termos de relvados sintéticos”.

“Se quisermos ter crianças e jovens a praticar o desporto rei, há aqui uma concorrência saudável entre os clubes, e que passa não apenas pela questão do emblema, mas pelas condições de trabalho que podem oferecer aos formadores e aos formandos”, defendeu Álvaro Amaro, lembrando que “mesmo nas freguesias com menos habitantes vale a pena investir, porque são estes investimentos que podem agarrar mais pessoas à terra e que podem levar a que mais gente escolha Águas de Moura e a Freguesia de Marateca para  viver”.

In this article